domingo, 3 de outubro de 2010

Dois olhares sobre África



1-

“[ A África ] não tem interesse histórico próprio, senão o de que os homens vivem ali na barbárie e na selvageria, sem fornecer nenhum elemento à civilização.”

HEGEL. Filosofia da história universal. Citado em HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. São Paulo: Selo Negro, 2005.p.20.

2-

“Para compreendermos a cultura material das sociedades africanas, a primeira questão que se impõe que é a imagem que até hoje pendura da África, como se até sua ‘descoberta’ fosse esse continente perdido na obscuridade dos primórdios da civilização, em plena barbárie, numa luta entre homem e natureza. De fato, a história dos povos africanos é a mesma de toda humanidade: a da sobrevivência material, mas também espiritual, intelectual e artística, o que ficou à margem da compreensão nas bases do pensamento ocidental, como se a reflexão entre homem e cultura fosse seu atributo exclusivo, e como se natureza e cultura fossem fatores antagônicos.”

SALUM, Marta Heloisa Leuba. África: culturas e sociedades – guia temático para professores. São Paulo: MAE/ USP, 1999.

Extraído: Projeto Araribá: história/ organizadora Editora Moderna: obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida pela Editora Moderna; editora responsável Maria Raquel Apolinário. – 2.ed. São Paulo: Moderna, 2007.

ATIVIDADES:

Estes textos apresentam duas opiniões, uma positiva outra negativa, sobre a importância histórica do continente africano.

Após leitura, levantar as seguintes questões:

1- Qual a idéia central dos dois textos?

2- Qual a opinião de Hegel sobre os povos africanos? E qual a opinião de Salum?

3- Qual o modelo de civilização em que Hegel se baseia para ter esse pensamento?

Partindo destes textos separe a sala em grupo e monte um júri simulado.

Caso: África

Julgamento: África tem ou não tem interesse histórico?

Grupo de defesa

Grupo de acusação

Júri

Juiz

Professor: Neste trabalho não há “sentença” ou resultado correto ou errado, deixe que os alunos decidam, escolhendo o grupo que apresentou os melhores argumentos.

Um comentário: