terça-feira, 14 de dezembro de 2010

América pré-colombiana: maias, astecas, incas e povos indígenas do Brasil

Depois de estudarmos sobre a diversidade cultural do continente africano, os árabes e o islamismo nos séculos V ao XVI, vamos conhecer neste texto alguns dos povos que viviam na América no século XV, ou seja, antes da chegada de Cristóvão Colombo, por isso o termo “pré-colombiano”.

Antes da chegada dos europeus, desenvolveram-se no México, na América Central e na região dos Andes civilizações complexas, que nos deixaram importantes registros de seus conhecimentos astronômicos, matemáticos, agrícolas, além de obras arquitetônicas e artísticas de grande refinamento e beleza. No restante das Américas, como no território que hoje corresponde ao Brasil, existiam comunidades indígenas nômades ou seminômades, que viviam basicamente da caça, da pesca e do cultivo de algumas espécies agrícolas, e tinham um modo de vida muito integrado a natureza.

As diferentes ondas migratórias, espaçadas no tempo, que caracterizaram a ocupação das Américas por povos vindos provavelmente da Ásia e da Oceania, explicam, em parte, a grande diversidade cultural aqui encontrada pelos europeus. Entre os povos pré-colombianos havia centenas de línguas e culturas bem diferenciadas como podemos ver no mapa abaixo:

Disponível: http://www.juserve.de/rodrigo/AMERICA/gallerie/Povos%20Pre-Colombianos.jpg.html



Estima-se que, no final do século XV, viviam na América cerca de 50 milhões de pessoas. Elas estavam distribuídas em sociedades muito diversas entre si, do ponto de vista cultural, política, econômica e social.

Durante muito tempo, pensou-se que as sociedades americanas fossem predominantemente tribais, sem nenhuma forma de centralização política. De fato, a forma tribal de organização foi comum em muitas regiões, mas hoje se sabe que outras grandes civilizações se desenvolveram no continente americano muito antes da conquista europeia.

Essas civilizações apresentavam algumas características comuns: agricultura como principal atividade econômica, favorecida por técnicas de irrigação do solo; o domínio de técnicas aprimoradas de artesanato; atividades comerciais; práticas religiosas politeístas; forte tradição guerreira; conhecimentos matemáticos e de astronomia.

MAIAS

A civilização maia, praticamente desaparecida na época da conquista espanhola, desenvolveu-se na área que corresponde ao sul do atual México, à Guatemala, Belize e Honduras e atingiu seu auge no fim do século IX. Arqueólogos especulam que guerras ou o esgotamento das terras cultiváveis levaram a civilização a um rápido declínio a partir do ano 900. Apesar de não haver números confiáveis acerca do tamanho do império, existem atualmente cerca de 4 milhões de descendentes de maias, o que dá uma ideia da grandiosidade de sua população.

Os maias organizavam-se em cidades- Estados governadas por chefes cujo poder era hereditário. O chefe de cada cidade exercia funções políticas e religiosas. A sociedade maia era extremamente hierarquizada. Cada cidade tinha uma autoridade máxima assessorada por nobres e sacerdotes. Na escala social seguiam-se os artesãos e trabalhadores livres, a maioria agricultores, que deviam pagar tributos para o governo. O pagamento desses tributos tinha uma conotação sagrada e constituía-se de parte da produção agrícola e prestação de trabalho, como reparo e construção de estradas.

A agricultura constituía a base da economia. O principal produto era o milho, tão importante que, segundo os mitos maias, os deuses o haviam utilizado como matéria-prima para criar o homem. Os maias também cultivavam cacau, algodão, feijão, pimenta, sisal, abóbora, mamão e abacate.

Os maias eram estudiosos das estrelas e dos planetas e tinham muitos conhecimentos de astronomia. Fizeram previsões de eclipses solares e lunares com grande precisão. Elaboraram calendários e calcularam a duração do ano próxima da que temos atualmente. Na matemática, conheciam o zero e criaram uma nova numeração, o que possibilitou o desenvolvimento de cálculos astronômicos.

Tikal, localizada nas florestas de Guatemala, foi uma das cidades mias importantes da antiga civilização maia. A área onde se ergueu a antiga cidade forma atualmente o Parque Nacional de Tikal. Além dos templos e de um pequeno museu, contendo delicadas peças de cerâmica e esculturas em jade, a área abriga bosques antigos contendo espécies vegetais raras e mamíferos da região. O parque de Tikal foi declarado pela Unesco patrimônio da humanidade.

Os edifícios construídos em Tikal no período clássico tornaram-se modelo para a arquitetura maia. A cidade passou a contar com grandes palácios e templos em forma de pirâmides, havia um templo com 70 metros de altura, o maior edifício erguido na América Antiga.

ASTECAS

Também conhecidos como mexicas, os astecas eram originalmente povos nômades, guerreiros e caçadores. Provavelmente originários do sul do atual território norte-americano, emigraram para a região do México e lá se estabeleceram no século IV, fundando o núcleo inicial da futura cidade de Tenochtitlan (atual cidade do México). Enquanto seus “vizinhos” maias entraram em decadência, os astecas começaram a crescer por volta do século XII.

Quando os espanhóis chegaram à região, no século XVI, os astecas dominavam um poderoso império no vale central do México, formado por 38 províncias, sujeitas ao pagamento de impostos ao governo asteca.

A agricultura era à base da economia. Os astecas construíram terraços sobre a água dos lagos, no quais cultivavam flores e hortaliças. Essas pequenas ilhas artificiais, feitas com a lama acumulada nas margens dos lagos, recebiam o nome de chinampas.

Os astecas ampliaram seu território por meio da guerra: conquistaram cidades e povos vizinhos, transformando-se em um vasto império que chegou a reunir 11 milhões de pessoas. Para eles, a guerra também tinha uma dimensão religiosa. Acreditavam ser o povo escolhido pelo deus Sol, Huitzilopochtli, destinado a conquistar e dominar outros povos. Segundo sua tradição, os guerreiros que morressem lutando atingiam o paraíso.

Assim como os maias, os astecas eram politeístas e tinham o costume de construir templos para os distintos deuses: Tlaloc, deus da chuva e do trovão; Quetzalcoatl, deus do vento, da escrita, do calendário e das artes e muitos outros. Às vezes eram templos grandiosos, na forma de pirâmides. Neles realizavam cultos religiosos e sacrifícios humanos. Geralmente as vitimas oferecidas em sacrifícios eram prisioneiros de guerra ou escravos.

Com a compreensão do Codex Medonza, os historiadores puderam ter mais informações a respeito da educação na sociedade asteca. A palavra codex refere-se ao conjunto de desenhos e escritos feitos pelos astecas e por outros habitantes da região do México, entre 1541 e 1542. Neles os nativos descrevem eventos importantes da sua história e cenas da vida cotidiana relacionadas à comida, bebida, diversão e educação. O mais conhecido foi o Codex Medonza.

A educação das crianças parece ter sido uma das principais preocupações dessa sociedade. De acordo com o Codex, a educação era essencialmente prática, mas também severa. Pais e tutores castigavam as crianças que, na visão deles, não queriam estudar. Essas crianças podiam ser arranhadas com espinhos ou obrigadas a respirar fumaça de uma fogueira onde queimavam pimentas vermelhas.

Os astecas tinham um calendário com cálculo preciso do ano solar (com 365 dias). Médicos astecas podiam consolidar os ossos quebrados e fazer obturação em dentes. O planejamento urbano era impecável. Suas obras públicas incluíam quilômetros de estradas e aquedutos. A capital Tenochitlán foi erguida em área pantanosa, cuidadosamente drenada e aterrada para comportar cerca de 100 pirâmides e torres.

INCAS

Na America do Sul, os incas “filhos do Sol” habitavam a região andina onde expandiram seu império a partir da cidade de Cuzco, no território que corresponde ao atual Peru. No século XV, expandiram suas fronteiras, chegando a dominar grande parte das áreas que hoje compõem o Peru, Bolívia, o Equador e o norte da Argentina e do Chile. Os incas chamavam seu grande império de “As Quatro Terras” ou “Os Quatro Cantos do mundo”, Tawantinsuyu.

Os incas adotaram uma maneira peculiar de dominar outros povos: antes de estabelecer o domínio em uma região, eles procuravam convencer a população das vantagens de se tornar membros do Império Inca. E os guerreiros faziam questão de destacar a importância do culto ao Sol e da língua quíchua.

O imperador Inca se esforçava para manter o controle do império, nomeando uma espécie de governador para administrar cada região e prestar contas. Os cobradores de impostos exerciam importante função administrativa.

Eles se notabilizaram pelos conhecimentos contábeis, pela organização do trabalho, pela construção de estradas e pela criação de um sistema de correios. Para facilitar a complicada contabilidade da produção agrícola, que também era à base da economia, os incas utilizavam cordões com nós chamados quipus (Os incas não tinham escrita, mas um complexo sistema de informações que consistiam em cordões coloridos nos quais se faziam vários nós. A cor e a quantidade de nós registravam diferentes informações, como a produção de alimentos, o número de habitantes do império e o valor dos tributos.). Além da função econômica, os quipus eram utilizados também para registrar o censo populacional e outros números importantes para os administradores públicos.

As terras do Império Inca eram cortadas por uma rede de estradas talhadas nas encostas das montanhas, percorridas por caravanas de lhamas e pelos mensageiros do imperador. As estradas eram pavimentadas com pedras e tinham uma extensão de mais 23 mil quilômetros, unificando todas as partes do império. A construção das estradas era assegurada pela mita, sistema de distribuição de tarefas pelo qual os camponeses eram obrigados a prestar serviços ao Estado durante alguns dias do ano.

O principal vestígio da civilização inca é a cidade de pedra de Machu Picchu, no Peru que sobreviveu à conquista espanhola. A cidade foi construída no topo de uma montanha no Vale do Rio Urubamba, a cerca de 2.400 metros de altitude. Abandonada por seus habitantes em época incerta, a cidade ficou coberta pela vegetação até ser encontrada pela expedição do arqueólogo norte-americano Hiram Binghan, em 1911 e tornar-se um importante patrimônio cultural da humanidade visitado por milhares de turistas todos os anos. Acredita-se que a cidade tenha sido um local de cultos realizados pelas Virgens do Sol, pois a grande maioria dos restos mortais encontrados ali era de mulheres e crianças.

POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

Estima-se que, quando os portugueses chegaram às terras que hoje chamamos de Brasil, viviam na região mais de 3 milhões de pessoas, falando mais de mil línguas. As diferenças culturais entre os diversos grupos indígenas eram imensas.

Disponível: manmessias21.blogspot.com

De acordo com a classificação lingüística, os povos indígenas do Brasil se dividiam nos grupos tupi (ou tupi-guarani), jê, caraíba e aruaque, além de grupos menores, como podemos ver no mapa acima. Diversos grupos indígenas ainda vivem hoje de forma parecida à que se vivia na época do “descobrimento" da América. Outros fazem esforços para preservar suas tradições e manter suas terras.

Os povos indígenas estão espalhados por todo território. A maioria vive em terras indígenas, ou seja, terras de uso exclusivo dos índios, demarcadas e reconhecidas pelo governo federal. De acordo com a Constituição de 1988, os índios têm o direito de viver nas terras que tradicionalmente ocuparam. Além disso, garante-se aos índios a posse permanente e o uso exclusivo das riquezas do solo, dos rios, e dos lagos neles existentes.

Muitas terras indígenas estão localizadas em áreas ricas em recursos naturais, como madeiras e minérios, despertando o interesse dos não índios. As invasões às terras indígenas e a exploração de seus recursos por não índios têm sido causa de inúmeros conflitos, muitas vezes resultando em mortes.

Antes da chegada dos portugueses, os povos indígenas do Brasil viviam em aldeias, consumiam para sobrevivência, ou seja, não acumulavam excedentes, havia trocas comerciais sem utilizavam de moedas, os bens eram coletivos e não havia diferenças sociais.

Os primeiros contatos dos europeus com os índios brasileiros foram feitos com os tupis, que habitavam toda a costa atlântica. As aldeias tupis localizavam-se em áreas bem servidas de água, madeira e caça. Cada aldeia tinha uma população que variava de 500 a 3 mil pessoas, distribuída em quatro a oito habitações. Cada moradia tinha um líder, chamado principal. As relações entre as aldeias variavam de tempos em tempos: os aliados de hoje podiam ser os inimigos de amanhã. Os povos não tupis eram chamados de tapuias.

Os povos indígenas eram guerreiros. Frenquentemente, as batalhas eram provocadas por rivalidades entre tribos, muitas vezes decorrentes de eventos ocorridos em gerações ancestrais. Antes e depois das principais batalhas, celebravam-se cerimônias, nas quais os guerreiros tatuavam várias partes do corpo. Nessas cerimônias, eles consumiam substâncias alucinógenas e invocavam os espíritos. O objetivo das guerras era capturar prisioneiros para vingar os antepassados, e não exterminar os povos inimigos ou ocupar territórios.

A “conquista” da América representou um dos maiores genocídios (assassinato em massa que leva à extinção ou quase de um determinado grupo étnico) registrados na história da humanidade. Milhões de índios morreram e diversos grupos desapareceram, vitimas principalmente de massacres, doenças trazidas pelos europeus e suicídios. Exploraremos este assunto mais adiante.

Referências Bibliográficas:

BOULOS Júnior, Alfredo. História: sociedade e cidadania, 7.ano. São Paulo: FTD, 2009.(Coleção História: Sociedade & Cidadania).

BRAICK, Patrícia Ramos. História: das cavernas ao terceiro milênio. 2.ed.São Paulo: Moderna, 2006.

PROJETO ARARIBÁ: história/organizadora Editora Moderna; obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida pela Editora Moderna; editora responsável Maria Raquel Apolinário. 2.ed. São Paulo: Moderna, 2007.

Roteiro de Atividades:

1- Leia este texto com atenção, grife as palavras desconhecidas e faça o vocabulário no caderno.

2- Monte no caderno um quadro comparativo sobre os povos estudados neste texto. Observe o modelo:

Nome do povo

Atividades econômicas

Principais realizações

Religiosidade

3- Explique como era a organização do poder entre:

· Os maias;

· Os astecas;

· Os incas;

· Os tupis-guaranis;

6 comentários:

  1. Ola eu Queria saber apenas a localização dos povos Tupis Guaranis E simples !!!!

    ResponderExcluir
  2. ja tive todas as informações sobre incas

    ResponderExcluir
  3. Nossa ne ajudou muito!!!!!! Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. meu ajudou muito na minha prova eu tava com duvidas em todas então esse site me ajudou muito obg..

    ResponderExcluir